Vélez Rodriguez foi demitido nesta segunda-feiraMarcello Casal jr / Agência Brasil

Após admitir que as coisas não estavam “dando certo” no Ministério da Educação (MEC), o presidente Jair Bolsonaro formalizou nesta segunda-feira (8) a demissão do titular da pasta, Ricardo Vélez Rodríguez. O presidente também comunicou a indicação do professor Abraham Weintraub para o cargo.

Esta é a segunda baixa no primeiro escalão do governo desde a posse. Em fevereiro, Gustavo Bebianno foi exonerado da Secretaria-Geral da Presidência em meio a suspeitas de irregularidades no repasse de recursos para candidatos do PSL na eleição de 2018.

A queda de Vélez Rodríguez era esperada desde a última sexta-feira (5), quando, em encontro com jornalistas, Bolsonaro comentou a situação no MEC. O presidente havia dito que esta segunda-feira seria o “dia do ‘fico’ ou do ‘não fico'” para o então ministro.

Passados três meses, o MEC se encontrava paralisado diante da disputa por espaço entre grupos dentro da pasta e devido a episódios polêmicos envolvendo o titular. Em um deles, em fevereiro, Vélez Rodríguez autorizou o envio de cartas a diretores de escolas pedindo a gravação dos estudantes cantando o Hino Nacional e determinando a leitura de mensagem com slogan de campanha de Bolsonaro: “Brasil acima de tudo, Deus acima de todos”. 

O novo ministroRafael Carvalho / Governo de Transição

Abraham Weintraub (E) foi apresentado a Bolsonaro por Onyx Lorenzoni (D), com quem trabalhou durante a transiçãoRafael Carvalho / Governo de Transição

Economista pela Universidade de São Paulo (USP), Abraham trabalhou 18 de seus 47 anos no Banco Votorantim, onde foi de office-boy a economista-chefe e diretor. Demitido, seguiu para a Quest Corretora e, logo depois, deixou a iniciativa privada.  

Abraham e o irmão Arthur, também professor universitário, apoiaram Bolsonaro desde o início da campanha eleitoral. Ambos entraram em rota de conflito com docentes e estudantes da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) por defenderem o então candidato.

Abraham Weintraub foi apresentado a Bolsonaro pelo ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, com quem trabalhou na transição de governo, contribuindo com ideias para reforma da Previdência.

PUBLICIDADE