Bolsonaro visita Presidente Prudente nesta quarta-feira

O candidato à presidência da república Jair Messias Bolsonaro do Partido Social Liberal – PSL, vai chegar no aeroporto de Presidente Prudente, nesta quarta-feira dia 22 de agosto, às 12h50.

O comunicado está empolgando todos os apoiadores do candidato, ele deve fazer uma coletiva de imprensa no próprio aeroporto, depois segue em carreata pela avenida José Soares Marcondes, até próximo da igreja matriz, onde inicia-se o calçadão, deve ir até o bar do tio Patinhas, reduto de vários políticos da cidade, tomar um lanche e conversar com as pessoas e tirar fotos. Ele ainda deve visitar o 18 batalhão para uma visita aos militares da cidade e região.

Aqui em nossa cidade que deve recepciona-lo é o presidente da UDR-União Democrática Ruralista, presidente do PSL local, além de vários outros movimentos sociais.

Cronograma de visitas em São Paulo

4ª feira 22/08 a partir das 12:50 em Presidente Prudente-SP

5ª feira 23/08 a partir das 10:30 em Araçatuba-SP

6ª feira 24/08 a partir das 10:00 em São José do Rio Preto-SP

Sábado 25/08 a partir das 10:00 hs em Barretos-SP

Maiores informações (18) 3221-1802 a partir desta segunda feira com detalhes de horários da recepção, visitas, passeatas e demais participação de Bolsonaro

Biografia de Jair Bolsonaro

Jair Bolsonaro (1955) é capitão da reserva do Exército e político brasileiro. Exerce seu sétimo mandato de deputado federal pelo estado do Rio de Janeiro. É pré-candidato à Presidência da República nas eleições de 2018. 

Jair Messias Bolsonaro nasceu em Campinas, São Paulo, no dia 21 de março de 1955. Filho de Perci Geraldo Bolsonaro e de Olinda Bonturi, ambos descendentes de famílias italianas. Foi aluno da Escola Preparatória de Cadetes do Exército, de Campinas. Em 1977 formou-se na Academia Militar das Agulhas Negras, em Resende, Rio de Janeiro. Cursou a Brigada de Paraquedismo do Rio de Janeiro. Em 1983 formou-se no curso de Educação Física do Exército. Chegou a patente de Capitão.

Em 1986 liderou um protesto contra os baixos salários dos militares. Escreveu um artigo para uma revista de grande circulação no país, intitulado “O salário está baixo”. Por infringir o regulamento disciplinar do Exército, foi preso durante 15 dias. No ano seguinte, novos atos de indisciplina foram realizados. A “Operação beco sem saída” tinha como objetivos explodir bombas em várias unidades da vila militar da Academia Militar das Agulhas Negras e em outros quarteis, se o reajuste de salário ficasse abaixo de 60%. O plano foi atribuído a Bolsonaro e ao Capitão Fábio Passos. Em junho de 1988, os militares foram julgados e inocentados. Nesse mesmo ano, Bolsonaro foi para a reserva com a patente de Capitão.

Carreira Política

Em novembro de 1988, Jair Bolsonaro foi eleito para a Câmara Municipal do Rio de Janeiro pelo Partido Democrata Cristão (PDC). Em outubro de 1990, foi eleito deputado federal pelo PDC. Renunciou o mandato de vereador e tomou posse na Câmara dos Deputados em 1991. Em 1993, participou da fundação do Partido Progressista Reformador (PPR), nascido da fusão do PDC e do Partido Democrático Social (PDS).

Ainda em 1993, envolveu-se em uma polêmica ao alegar que a existência de muitas leis atrapalhava o exercício do poder e defendeu o retorno do “regime de exceção” e o fechamento temporário do Congresso Nacional. Declarou que “num regime de exceção, o chefe, que não precisa ser militar, pega uma caneta e risca a lei que está atrapalhando”. O deputado Vital Rego, o Corregedor do Congresso, solicitou ao Procurador-Geral da República, Aristides Junqueira, o início de uma ação penal por crime contra a segurança nacional, ofensa à Constituição e ao regime interno da Câmara.

Em 1994 foi reeleito e voltou a pedir o fechamento do Congresso Nacional e declarou: “Prefiro sobreviver no regime militar a morrer nesta democracia”. Candidato à reeleição, em sua plataforma de campanha incluía a luta pela melhoria salarial para os militares, o fim da estabilidade dos servidores, a defesa do controle da natalidade e a revisão da área dos índios ianomâmis, cuja extensão considerava absurda.  Foi mais uma vez indicado para a Comissão de Trabalho, Administração e Serviço Público da Câmara. Em 1995 filia-se ao Partido Progressista Brasileiro (PPB), resultado da fusão do PPR com o PP.

Em 1998, exercendo seu terceiro mandato de deputado, se candidatou ao cargo para presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara, provocando a reação de vários setores da sociedade, uma vez que o político publicou na imprensa que defende a pena de morte, a prisão perpétua, o regime de trabalhos forçados para condenados, a redução da maioridade para 16 anos e o rígido controle da natalidade como maneira eficaz de combate à miséria e à violência.

Em 2002, foi eleito pela quarta vez ao cargo de deputado federal pelo PPB, mas nesse mesmo ano, filia-se ao PTB. No início de 2005 deixa o PTB e filia-se ao PFL. Em abril, deixa o PFL e filia-se ao Partido Progressista (PP). Em 2006 é eleito para seu quinto mandato. Assume a titularidade das comissões de Constituição e Justiça e de Cidadania, de Relações Exteriores e de Defesa Nacional e de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado. Em 2008, em audiência pública, envolve-se em nova polêmica ao combater a demarcação contínua realizada pelo governo federal na reserva indígena Raposa Serra do Sol, em Roraima, que gerou conflitos entre agricultores e indígenas. Alegando que a demarcação seria um risco à integridade nacional, colocou-se contra o ministro da Justiça Tarso Genro (PT). Na ocasião, o representante indígena atirou água no deputado. Em 2009, o PC do B entrou com uma representação contra o parlamentar por quebra de decoro.

Em 2014, Jair Bolsonaro foi reeleito para o seu 7º mandato. Ficou conhecido na mídia por suas declarações polêmicas, intrigas com seus colegas da Câmara e com entidades representantes de negros e homossexuais. Insultou e foi insultado por adversários. Ofendeu a deputada Maria do Rosário dizendo que não a estupraria porque ela não merecia. Tornou-se réu no Supremo Tribunal Federal por incitação ao estupro. Em 17 de abril, durante a votação do impeachment da presidente Dilma, dedicou seu voto a um torturador da ditadura militar. Em março de 2016, filiou-se ao PSC, mas entrou em conflito com a liderança do partido.

Família

Jair Bolsonaro foi casado com a vereadora Rogéria Nantes Nunes, entre 1993 a 2001. Juntos tiveram três filhos: Carlos Bolsonaro (vereador do Rio de Janeiro), Flávio Bolsonaro (deputado estadual do Rio de Janeiro) e Eduardo Bolsonaro (deputado federal por São Paulo). Foi também casado com Ana Cristina Vale, com quem teve um filho. Em 2013 casou-se com Michelle, e com ela tem uma filha.

Print Friendly, PDF & Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Proteção contra força bruta. * Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.